21.3.17

Do roubo de fotografias

(TL;DR: não reproduzam fotos na internet sem indicar o autor, e saquei 200 euros à Vespa Espanha)



Um dia tirei esta foto, e gosto bastante dela.

Passeio à Serra da Estrela

Nunca me dei ao trabalho de corrigir as cores mas alguém no Tumblr teve esse trabalho por mim, com a ajuda de um filtro xunga.


E 500.000 pessoas repostaram a foto passando esta a aparecer em todo o lado.




 

Sim, até o instagram Vespa Official! Onde é que está o meu nome? Em sítio nenhum. Onde está a compensação pelo uso da minha foto? Pois sim, já vai.

Cada foto tem um dono. Só porque uma fotografia (ou texto, ou música, ou ilustração, o que quer que seja) está na internet não nos dá o direito de fazermos o que quisermos com ela. Sei que é difícil interiorizar este conceito quando milhões de imagens são criadas diariamente com facilidade, e podem ser gravadas e re-postadas de modo igualmente simples. Imaginem que alguém se aproveita do vosso trabalho para ganhar dinheiro e reputação, e não vos pede autorização nem vos paga compensação... Já começam a perceber a coisa?

Se a Vespa Official quisesse criar a imagem acima para usar em publicidade ou semelhante teriam que contratar um fotógrafo com ajudante, e este teria que obter uma Vespa e um condutor, e teriam todos que se deslocar numa carrinha alugada para uma montanha depois de terem esperado pelo dia certo. Quanto é que isso custa tudo?

Não sou fotógrafo profissional mas já ganhei dinheiro com fotografias, já dependi de fotografar para realizar o meu trabalho e ganhar dinheiro, e investi uma quantidade significativa de recursos e tempo no material e experiência necessários à fotografia. É por estas razões que o roubo de fotografias me irrita e a vocês não.

São especialmente tristes as páginas de Facebook que postam exclusivamente fotos "achadas" na net mas sem qualquer indicação de autor ou proveniência, totalmente "órfãs". Porque dá muitíssimo menos trabalho fazer printscreen do que criar conteúdo original, e o que interessa são os likes. Já agora, o aviso "se o autor desta foto quiser que ela seja retirada pode contactar com xxxx" é um monte de fezes fumegantes.

"Ah, mas ninguém se dá ao trabalho de contactar o autor e pedir autorização para meter uma foto num blógue ou algo corriqueiro do género!" Errado. Tal já me aconteceu várias vezes, e costumo aceder desde que não haja benefício comercial descarado. A segunda melhor coisa a fazer é indicar o autor (sempre com link) e a fonte (o sítio onde vimos a foto pela primeira vez - esta é outra regra de etiqueta internética que é atropelada barbaricamente todos os dias). Caso ainda não tenham percebido, o pior a fazer é gravar a foto e repostá-la sem qualquer proveniência ou informação.

A SIP cometeu este mesmo erro, usar uma foto minha sem autorização ou crédito. O Ralf pediu imensa desculpa e, como compensação, deu-me uma entrevista. Garanto-vos que o gerente das redes sociais da SIP levou uma grande descascadela por isso. As grandes empresas sabem e compreendem que não podem utilizar o trabalho de um fotógrafo sem compensação.

Quase todas, pelo menos. Este Natal a Vespa Espanha colocou isto no seu Facebook:


Reconheci imediatamente a minha foto. Foi fácil porque já a tinha visto na conta de alguma organização Vespista importante noutro Natal. :\

Merry scooter Christmas

Inaceitável. Os tipos da SIP safaram-se com uma entrevista porque são malta scooterista à maneira, mesmo boa gente. Os tipos da Vespa Espanha, por outro lado, são meros vendedores de electrodomésticos. Levaram logo com uma mensagem:

Bom dia. No dia 22 de Dezembro vocês utilizaram uma fotografia minha nesta página de Facebook:
https://www.flickr.com/photos/hugojcardoso/4206444345
Para pagarem essa utilização, transfiram 200 euros para minha conta: IBAN PT50 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
Não utilizem fotos sem autorização prévia do autor no futuro.

Pagaram sem regatear e pediram desculpa. Porque roubar fotos é errado. Não o façam.