8.2.17

Bob constrói um velocímetro digital - parte 2

Vamos lá despachar isto rapidamente que vocês têm coisas importantes para fazer (parte 1 aqui). Fiz uma peça em MDF que suportará o perímetro da cena electrónica.

P1270316

Duas soldaduras de diminutas dimensões foram necessárias no sítio do botão das funções.

P1270323

Dois fios para o botão de arranque que controlará as funções, outros dois para o sensor da roda. Ainda não deitou fumo.

P1270332

Não tenho que estar a fazer furos para montar o botão de arranque porque já tenho um punho de arranque eléctrico. Porque é que ele está aqui, já não me lembro - não deve ser original...

P1270338

Montei o dito botão e passei o cabo.

P1270341

E agora topem-me só esta classe. Preto-fosco-que-não-é-completamente-fosco-é-mais-assim-acetinado e um pin do escudo antigo da Piaggio (a coisa mais linda do Universo). Pimp, bitches!

P1280354

O vidro estava mais áspero que lixa 60, e tentei remediar a coisa com uma lambidela de uma massa de polir que já anda aqui pela garagem desde o virar do século.

P1270346

Desmontei o sem-fim porque já não é necessário. E noto que a Vespa acelera mais, agora que não precisa de girar o sem-fim. A sério. Definitivamente. Sem exagero. Notem bicha partida logo à saída do sem-fim.

P1280363

 Para tapar o furo deixado pela ausência da bicha cortei uma pequena junta em borracha de câmara-de-ar.

P1280367

Que foi prontamente posicionada em postura pertinente.

P1280370

Fui obrigado a soldar um fio fino de electrónica ao fio do sensor para o fazer subir pela espiral antiga acima. (fazê-lo subir pela espiral abaixo pareceu-me má ideia, bem como o fazer descer pela espiral acima)

P1280372

Os testes iniciais revestiram-se de sucesso: a luz não foi abaixo no quarteirão nem peguei fogo à garagem.

P1280374

A terceira e última parte desta trilogia moderadamente épica aparecerá aqui*.

*válido apenas para assinantes da conta Horta Premium