17.12.07

A minha cruiser

Eu já vos avisei acerca da posta ocasional centrada na minha outra fixação, bicicletas alternativas. Graças a uma sorte do caraças e através de peripécias apenas transmissíveis convenientemente em pessoa, consegui adquirir os restos de uma imitação nacional da Sirla das típicas cruisers americanas, por uns míseros 15 euros. Fiz-lhe uma pintura inspirada nos anos 40 com patina falsa, montei um cubo Sachs Torpedo de 3 velocidades com travão de contra-pedal que um velhote trouxe da Alemanha, adicionei um selim velho de 5 euros, mais algumas peças low-cost, um truque aqui e outro acolá, e ficou pronta: mega-cruising fun.

Quem tiver imaginação pode divertir-se muito com bicicletas. Existem tantos tipos e variações diferentes que as ideias para projectos aparecem em sucessão interminável. Os custos e prazos são uma fracção dos que exigem as scooters clássicas. Além disso, aqui no Porto a pequena cena de apreciadores de biclas exóticas começa a ganhar força. A minha próxima cruiser já está em doca seca e vai ser radical. Acreditem que vai virar cabeças na Marginal.