19.3.09

Scooter porn

Há dois tipos de scooter porn: a mecânica, e a orgânica.

Se clicaram em "orgânica" puderam visualizar uma página da publicação Motonotícia Casal nº 23 datada de Abril de 72, da responsabilidade da Metalurgia Casal, disponibilizada pelos colegas do Rodas do Viriato. Se me permitem citar um trecho da poesia "Quero" publicada na página 2...:
Quero,
Quero dizer o que se sente,
Quando numa cálida tarde de Verão,
Um homem e uma mulher se unem:
se penetram suavemente um no outro,
se sentem desfalecer
Só porque estão a nascer!...
(está calor aqui dentro ou é impressão minha?...) O Último Tango em Paris, apesar de ser um filme de 1972, só foi estreado em Lusoland 5 dias depois da Revolução dos Cravos, por isso não sei onde é que a Ana - a autora - foi buscar estas ideias mas macacos me mordam se a rapariga não era levada da breca. Ah carago era cada amassanço atrás das salinas! Mais chocante ainda é o facto dos executivos da Metalurgia Casal permitirem tais conteúdos arriscados na sua publicação, mesmo ao lado da Demonstração de Resultados do Exercício de 1971 que nos revela a despesa de 834 contos de réis em encargos com publicidade. Aliás, corre o boato que a iniciativa de criação do automóvel Casal tinha como nome de código "Projecto Pussy Wagon".

E como é preciso ilustrar esta posta, fui aos meus extensos arquivos de pornografia orgânica que metem scooters ao barulho, saquei um ficheiro à sorte, tapei os transfers e os puxadores do ar com o logótipo da Horta, e passei tudo para preto e branco. Se é a preto e branco, então só pode ser arte e nunca um artigo da Motonotícia.

Scooter porn