2.10.07

Primeiras chuvas

Tenham cuidado, crianças, que o piso está escorregadio p'ra burro. Quando começarem a rolar não se esqueçam de fazer uma travagem de teste para ficarem com uma ideia do coeficiente de fricção (ou da falta dele). Conduzam com cuidado.

Brinquedo novo

Depois de vários meses soterrado no fundo da minha secretária, estreei hoje o meu medidor de compressão que comprei na última feira de Aveiro. A correcta estanquicidade dos segmentos e a saudável compressão resultante são indispensáveis para um bom funcionamento do motor. Sim, podemos carregar no kicks para ter uma ideia da compressão dum motor, mas este aparelhómetro não foi caro e põe de lado todas as adivinhações e apalpamentos.

A PX foi a cobaia, e o resultado foi 125 psi a quente. Para um motor de origem saudável, a compressão deverá ser da ordem dos 120-130 psi. O meu pistão com 60.000 kms em cima alimentado a óleo do Continente surpreendeu-me! Há já algum tempo que noto uma falta de frescura e de vitalidade na auto-estrada que começam a irritar-me. Afinal não deve ser do grupo térmico (alerta de expressão técnico-arrogante!), talvez seja do escape... 60.000 kms de carvão de óleo do Continente... Hhhmmmm... [pensativo]

Qualquer valor abaixo dos 100 psi é preocupante. Abaixo dos 80 psi e morremos nas subidas. Abaixo dos 60 psi a mota provavelmente nem pegará. Agora tenho que aplicar este teste a toda a minha frota. O problema é que costuma ser realizado com o motor quente e a maior parte dos meus trambolhos nem sequer funciona. Hhhmmm... [extremamente pensativo]. Terei que tirar as minhas conclusões à temperatura ambiente.