4.6.10

Vespa de desempanagem móvel do ACP número 326

A Horta decidiu fazer algo vagamente jornalístico, para variar, e foi à caça da esquiva Vespa do ACP. Apesar de eu fazer poucos quilómetros de enlatado, o Automóvel Clube de Portugal já me salvou o dia de modo eficiente em duas ocasiões separadas, e considero-os como uma organização meritória e inteligente ao ponto de terem na sua frota do Norte, em tempos, três Vespas utilizadas como viaturas rápidas de desempanagem móvel.

Vespa de desempanagem do ACP

Destas três duas já foram desactivadas e vendidas, restando agora apenas uma dedicada a fazer recados, a número 326. É uma PX do início dos anos 90, creio eu, sem arranque eléctrico e em estado bastante razoável e original, se bem que algo coçada do trabalho. Marca menos de 40.000kms no mostrador e as suas marcas identificativas dianteiras encontram-se tapadas pelo avental.

Vespa de desempanagem do ACP

Vespa de desempanagem do ACP

Vespa de desempanagem do ACP

Esta PX tem de momento uma "top case" Givi atrás mas nos seus dias de trabalho possuía ainda uma caixota à frente com os dizeres "desempanagem móvel" para levar a ferramenta toda. Além disso havia uma bateria grande entre os pés do condutor, uma instalação de rádio no porta-luvas, uma antena na traseira e um extintor ao alto por trás do pé esquerdo do condutor, como demonstra o sr. Domingos neste pormenor da foto de grupo.

Vespa de desempanagem do ACP

Vespa de desempanagem do ACP

Uma etiqueta no topo do porta-luvas continua a lembrar o indicativo de rádio deste veículo - "Autoclub 326" - e uma fixação para o microfone continua rebitada no seu interior, como memórias esbatidas de meios de comunicação obsoletos. No chão, dois furos adjacentes tapados com parafusos marcam o local do extintor desaparecido.

Vespa de desempanagem do ACP

A manutenção desta viajante vermelha continua a ser realizada pelo sr. Domingos na garagem do ACP. Nunca deu grandes problemas: alguns cabos, mudanças de óleo e uma ou outra embraiagem porque "andavam muito carregadas". Um dia houve também um tombito, causado pela chuva miudinha que cortava a visibilidade através do pára-brisas e por uma sucessão inesperada de covas. Esse tombo levou à descoberta dos ratos da Cantareira de rabo cortado que assim o é porque os inteligentes roedores o usam para pescar peixe no rio! Não se ouvem histórias destas ao rolar num secador aisático...

O veículo 326 deu o seu lugar na linha da frente a máquinas mais modernas como Hyosungs automáticas e BMWs GS, mas continua a afirmar "presente!" sempre que é preciso ir fazer um recado. Aparentemente também havia Pêxizers a desenrascar enlatados nas zonas de Lisboa e Coimbra mas não tenho informação dessas. De uma, pelo menos, fica registada a história.

Os meus agradecimentos à menina Dulce Pinto do ACP que possibilitou a minha visita, e ao sr. Domingos que me contou a história desta Vespa. Mais fotos de qualidade marginal porque estava pouca luz no armazém e é essa a minha desculpa em magnífico slideshow aqui.