29.5.07

Circuito da Boavista 2007

É já em Julho, de 6 a 15, que vai decorrer o Circuito da Boavista, este ano ainda com maior diversidade de corridas, desde Touring Cars modernos até ao Campeonato de Clássicos, passando por Fórmulas 1 dos anos 50, 60 e 70. As protecções já estão a ser montadas na Boavista e no Parque da Cidade. Como moro a 200 metros da chicane da Rua da Vilarinha, não tenho desculpa para faltar. Podem ver mais informação em http://www.circuitodaboavista.com/, se bem que o site seja algo confuso. Quatro rodas são duas rodas a mais, mas toleráveis por dois fins-de-semana.

Este ano a chicane vai desaparecer e os veículos viram à direita no fim da Vilarinha. Um pouco depois viram à esquerda num "arruamento novo" para, então, regressarem à Circunvalação no sentido descendente. Ao pé da Alfândega está lá um micro-carro Messerchmitt (?) dentro de uma vitrina XXL em exposição, a anunciar o evento. A foto não é grande coisa, mas conta a intenção. Podem ver o Bob e a ponte da Arrábida no reflexo.

Códigos MaxMeyer desvendados?

Tradução liberal de um post de Dave Dry no grupo Yahoo Vespa-Sports:

"A publicação dos livros Vespa Tecnica foi recebida como o capítulo final da história daquela marca famosa, que estava em falta. Infelizmente, à medida que os livros eram fornecidos a conta-gotas aos fãs da Vespa, a realidade da situação revelou ser diferente. Alguns dos produtos da fábrica Piaggio tinham sido deliberadamente- ou assim parecia- ignorados, e existiam notas técnicas que levantavam mais problemas. Entre estes destacavam-se, sem dúvida nenhuma, as notas sobre as cores de pintura usadas. Estas cores indicadas no fim de cada secção de modelo eram listadas como `Max Meyer colour code: XXXX' e estes códigos tornaram-se notórios em virtude do simples facto de nenhum fornecedor de tinta os conseguir converter nalgum código de cor significativo.

Recentemente, o véu de obscuridade poderia ter sido levantado com a firma Max Meyer a ser absorvida pelo gigante americano PPG (N.T.: O site
www.maxmeyer.com salta para o site da PPG). Assumia-se que a nova companhia iria estandardizar os códigos de cores e que tudo seria revelado... Infelizmente, de novo, tal não aconteceu... Os códigos de cores Vespa Tecnica não tinham significado algum para os fornecedores de tinta PPG! (N.T.: Existem revendedores MaxMeyer em Portugal, pelo menos em Coimbra e Aveiro, onde me informaram que poderiam fornecer tinta segundo os códigos originais. Nunca experimentei, no entanto). Entra em cena Colin Judd, mestre da oficina de pintura e, agora, detective da pistola de tinta! Colin dedicou a sua vida ao restauro de pinturas em carros clássicos e tem um forte interesse no género das scooters. Quando lhe mostraram os livros Tecnica e estando um bocado baralhado acerca dos códigos de cores, Colin usou um processo lógico para revelar o enigma dos códigos...

Pegando na Vespa SS180 como um exemplo, esta saía da fábrica em três cores que eram indicadas no livro Tecnica da seguinte maneira:
• Branco Hawthorne - Max Meyer Colour Code: 1. 298. 1715.
• Vermelho - Max Meyer Colour Code: 1. 298. 5847.
• Azul Pavão (Peacock Blue) - Max Meyer Colour Code: 1. 298. 7220.

O Colin conseguiu ver um padrão óbvio na partilha do `1' e nos três dígitos seguintes em cada código. Após folhear os livros Tecnica, tornou-se também óbvio que o primeiro dígito, `1', era às vezes `2', mas neste caso, apenas para tons metalizados. Por exemplo, a Rally 200 tinha uma cor indicada como:
• Branco Lua Metálico (Mettalic Moon White) - Max Meyer Colour Code: 2. 268. 0108.

Isto fez vibrar uma corda em Colin, já que ele sabia que um acabamento metalizado necessitava de duas camadas, e não apenas a camada única de um acabamento não-metalizado. A verificação de outros códigos metálicos nos livros deu a entender que o primeiro dígito - `2' - referia-se ao número de camadas necessárias para obter aquela tonalidade de cor em particular.

Os três dígitos seguintes eram sempre os mesmos na sequência de números para cada um dos modelos, num dado período temporal. Foram assim vistos como sendo códigos de produto ou de lotes indicando uma determinada série de produção (N.T.: Acho que ele quer dizer que estes dígitos apenas se referem ao ano de criação/ produção da tinta, não tendo nada a ver com a cor propriamente dita).

Isto deixou Colin com os últimos quatro dígitos... Ele tinha o grosso catálogo de cores da PPG à frente dele mas, infelizmente, cada código de cor na secção Piaggio tinha apenas três dígitos. Após algumas consultas com os seus contactos na PPG e algum coçar de cabeça... Fez-se luz!... Ignore-se o primeiro dígito do grupo de quatro e o código combina perfeitamente com o catálogo PPG...Uau!! Como exemplo, o pouco usual Azul Pavão com o seu código Max Meyer 1. 298. 7220 aparece no catálogo PPG com o código 220, sendo tranquilizadoramente descrito como Blu Pavone (Azul Pavão).

Colin tinha descoberto o código das cores!"

Adorei esta história e gostaria de pagar um Sumol ao Colin. É prova luminosa que não há nenhum problema que não possa ser resolvido, nem nenhuma desculpa para se cortarem cantos. Basta querer e usar a cabeça.

E já agora, a frase da semana: "O sr. Santos da Casa das Luvas deu-me esse Fiat 1500. Deu-me o carro e dois sacos de laranjas."

[Edit: vejam o update!]

20.5.07

Automobilia 2007 em Aveiro

A feira Automobilia que ocorre todos os anos por esta altura já tem uma excelente e merecida reputação, até no estrangeiro. Este ano esteve maior que nunca, com todo o espaço interior dos dois pavilhões ocupado, e com coisas para ver em todos os corredores de acesso e no parque exterior. À pinha! Já se tornava difícil passear nos corredores ao Sábado de tarde, agora imaginem no Domingo de tarde. Quando se perguntava o preço a um expositor, nunca sabíamos se ele iria responder em português, inglês, francês, ou espanhol. Alguns limitavam-se a mostrar dedos.

Foi bom ver a malta do costume, e caras novas. Fiz um pequeno lote de pré-produção das minhas tampas de carburador transparentes para mostrar às pessoas e recolher impressões. Posso dizer-vos que só houve duas respostas: "Não percebo. Porquê?" e "Uau, adoro!". Globalmente houve um acolhimento muito positivo e tenho planos para fazer várias outras peças uber-divertidas.

Por lá se viu um senhor que tinha comprado uma 50ss por 200 euros, pensando que era uma Vespa normalíssima, bem como um vendedor que garantia a pés juntos que um prato de bobines funcionava, porque o tinha tirado deste motor (apontando para um motor de smallframe) e que o podia provar: "monto já neste [outro motor de smallframe] e garanto que o motor funciona!". Punch line: o prato era de uma Rally 200 electrónica.

Estava lá um atrelado com três charutos em cima, tudo por 150 euros. Pouco tempo depois, o papel desapareceu, seria piada? A certa altura eu tinha a PX estacionada entre duas Transalp, cá fora, e houve um palhaço numa Harley enorme com cromados e couros e metade do catálogo "Milwaukee's Gayest Accessories" em cima que estacionou à minha frente, bloqueando-me totalmente! A sorte dele foi que saiu antes de mim, senão a coisa era capaz de ficar feia... Aaaarrgghhh! Ah, e Domingo fomos à caça dos Volvos. Comprei um "testador" de compressão para aferir da saúde de pistões e cilindros, o qual já estava na minha lista de faltas há éne. Informarei resultados. Boa.

11.5.07

Bunker/ Fauna

A Horta mantêm a sua política de forte investimento em equipamentos e infraestruturas. Assim sendo, foi adquirido um alvo de dardos e montado no Bunker à altura e distância regulamentares de campeonato.

O meu sonho sempre foi ter uma garagem com sofá e mesa de ping-pong. Os dardos são um passo na direcção certa, e um colega até me ofereceu um sofá usado, e o uso da sua carrinha para o ir levar. Infelizmente, o problema das inundações invernais coloca um entrave em tão onírica oferta. Um dia...

O Coriscada enviou-me uma foto de mais um excelente exemplar de Scooterium Ruralis Lusitaniae (ver outros exemplares), avistado nesse magnífico viveiro/ reserva natural que é a região de Aveiro. Está lá tudo, mesmo o penico vintage. E até acredito que aquela seja a pintura de origem...

GuetoForming... not

Ontem comprei uma folha grande de plástico transparente de 1mm, com 2x1.25m, para a execução de uns sérios testes de Guetoformação. O pequeno tamanho das folhas de plástico que arranjei na loja de modelismo estava a limitar seriamente o número de alvos onde aplicar o meu novo brinquedo.

Hoje de manhã cedo comecei entusiasticamente a aquecer plástico. Rapidamente, notei que algo não estava bem. O plástico não ficava mole como deveria. Mais calor. Mais tempo. Continua duro. Começa a ficar branco. Hmmmm, espero que seja normal, deve voltar ao transparente quando arrefecer. Mais calor. Nada. Fracasso total.

Já iniciei diligências para localizar placas XL de plástico "do bom" para Guetoformar umas peças à homem. Dedos cruzados. Entretanto, se alguém precisar de plástico transparente de 1mm, apitem- tenho 2 metros quadrados disso para despachar.

6.5.07

Feira de Espinho

O que é que eu disse da outra vez? A feira de Espinho não desilude.

Como vocês gostaram tanto do símbolo da Ultramarina Seguros, aqui vai outro da Imperial Seguros, que está na minha LD. Na feira estava lá o mesmo escudo refeito. Aparentemente, há uma pessoa a refazê-los/ reproduzi-los, não consegui perceber bem.

4.5.07

Blog Rodas de Viriato


A gente simpática do blog Rodas de Viriato destacou a Horta e a sua secção Casal Carina na actualização de ontem. Obrigado!

Recomendo visitas regulares a este blog único. Todos os dias uma nova actualização desvenda mais um veículo nacional, desde motorizadas até UMMs, passando por bicicletas e vagões de caminhos-de-ferro. Um trabalho nobre.

GuetoFormer v1.0 is online

Um belo dia tive uma ideia: uma tampa da caixa de carburador transparente! Porque não? Algo novo, fresco, com piada. Mas como a fabricar? Algum tempo depois, a resposta: o Guetoforming.

O Guetoforming foi desenvolvido por uma seita tibetana de monges budistas eremitas no século III antes de Cristo. Passada secretamente de geração em geração, esta tecnologia mística não é acessível ao comum mortal. Passei 7 anos a vaguear as montanhas geladas do Tibete, vestindo apenas umas cuecas desconfortáveis de couro de iaque, e comendo apenas piolhos e ténias de iaque até os monges aceitarem partilhar o seu segredo comigo. Finalmente, o meu sonho tornou-se realidade.

Durante a construção consegui martelar o polegar esquerdo, fazendo uma bonita bolha de sangue. Doh! Mas toda a dor física valeu a pena, quando vi as peças a formarem-se magicamente perante os meus olhos incrédulos, pela acção das Forças Primordiais do Vácuo e do Calor. Os meus primeiros protótipos são uma cópia dum vidro de Sprint em plástico branco, e a tampa da caixa do carburador em plástico transparente. Conseguem imaginar todo o potencial desta tecnologia? É infinito!...

Chama-se Guetoforming e vocês viram-no aqui primeiro. Não o podem comprar no eBay, nem encomendar na SIP. Outro magnífico exclusivo da Horta, brevemente numa Vespa perto de si. O transparente é o cromado do século XXI. Pimpin' it Horta style, bitches!