26.7.10

Blusão Drenaline Flexis - primeiras impressões

Se não conhecem a marca nacional Drenaline, então estão a falhar. A Drenaline, segundo o site respectivo, "apresenta-se como uma marca de equipamento para desportos de acção, posicionando-se no mercado de acessórios para motos e motociclistas. Marca jovem, entrou no mercado em 2004 pelas mãos da MASAC, empresa com 51 anos e com sólida e conhecida actividade na área do motociclismo, sendo importadora nacional de marcas de prestígio mundial."

Para além de peças para motas off-road e quads, a Drenaline também apresenta uma gama completa de equipamento na forma de blusões, calças, botas, luvas, capacetes e mais, querendo tornar-se uma marca conhecida a nível internacional. E que melhor maneira de atingir esse nível de dominação que enviarem-me um casaco para testar?

Drenaline Flexis motorcycle jacket

Drenaline Flexis motorcycle jacket
Curiosidade: todos os pares de calças de Bob assentam-lhe mal

Este é o blusão Flexis para homem, em preto (também existe com os flancos em azul, cinzento e vermelho, e em corte de senhora), com um preço recomendado de 173.03€. Dos muitos blusões presentes no catálogo da marca de Cantanhede, o primeiro a chamar-me a atenção foi o blusão Atlas GT (estilo BMW-Touratech, 'tão a ver?) mas que não é adequado para um uso mais geral.

O Flexis encaixa muito melhor num uso multifacetado e foi esse modelo que o pessoal simpático da Drenaline me enviou. Construído com o conhecido e durável tecido Cordura, este recebe ainda um tratamento de Teflon para maximizar a resistência à água e à sujidade. Entre o tecido exterior e o forro encontra-se uma membrana Eyedry (estilo GoreTex, presumo) que alega capacidades impermeáveis e respiráveis.

O blusão Flexis pode ter sido desenhado em Portugal mas é feito na China, e bem feito: não encontrei nenhum problema de fabrico dando uma sensação geral de qualidade e solidez. Existe uma peça interior facilmente destacável para usar na estação mais fria, inserções reflectoras para segurança, e protecções interiores homologadas nos ombros, cotovelos e costas. As protecções de ombros e cotovelos possuem carapaças rígidas de plástico mas a protecção nas costas é uma placa de espuma espessa que, creio, será mais eficaz contra abrasão que contra impactos.

Ao vestir o blusão notei logo as mangas compridas que impedem queimaduras solares nos pulsos (falha grande no meu blusão antigo) e na rigidez geral da peça que acaba por não incomodar mas é algo que se estranha de início. Esta rigidez compensa a velocidades elevadas já que o tecido não entra naquela vibração aerodinâmica tão irritante; existe até um ajuste na zona dos bíceps para moldar a manga ao braço e contrariar ainda mais o fenómeno.

A zona da gola é suficientemente confortável para usar num pescoço nu. O número e posicionamento dos bolsos são adequados mas não existem aberturas para ventilação: estou convencido que nunca existirá um verdadeiro blusão de 4 estações (a não ser que custe 3 milhões de dólares e diga "NASA" na frente") e o Flexis (que não alega sê-lo) suporta a minha teoria já que é bastante quente nos dias de calor. Em condições mais temperadas comporta-se muito bem no termómetro mas os mais sensíveis às temperaturas altas deverão considerar um casaco específico para o Verão. Quanto ao comportamento em condições de chuva e frio ainda é uma incógnita; esperem pelo meu teste final no fim do ano. Até agora estou muito contente, desde que não fique preso no trânsito debaixo do Sol de Verão.

Sem comentários: