24.6.11

Viagem fotográfica pela PX de 2011

Estamos prestes a partir numa viagem fotográfica pela PX "nova"/2011/E3. Por favor mantenham os braços e pernas dentro do veículo. Se não gostarem das minhas fotos sobre-saturadas, a minha desculpa é que fiquei sem bateria e a luz estava muito forte. Obrigado por terem escolhido a Horta das Vespas para satisfazer as vossas necessidades blogófilas de índole scooterista.

2011 Vespa PX125

O velocímetro já conhecido é deveras elegante mas a escala de milhas por hora é praticamente inútil, suspeito que inclusivamente no Reino Unido. Os ponteiros são sólidos como rocha e não abanam nem um micron na estrada.

2011 Vespa PX125

Belo rabo! O farolim continua a parecer-me ter sido desenhado numa Sexta-feira às 17.30, mas os piscas já me agradam. Apesar de serem brancos, emitem luz laranja - bruxaria!

2011 Vespa PX125

O banco é consideravelmente menos feio ao vivo que nas primeiras fotos da feira de Milão. Ainda me estou a tentar habituar à rampa que existe ali no meio e a avaliar a compatibilidade da dita com os meus fémures descomunalmente compridos.

2011 Vespa PX125

Os novos punhos são agradáveis ao toque e ostentam a inscrição Vespa. Também possuem um anel de plástico cromado, e a única coisa boa que eu posso dizer acerca de um anel de plástico cromado é que é melhor que dois anéis de plástico cromado. Especialmente se forem plástico.

2011 Vespa PX125

Já descobri o que quer dizer SAS, é "sistema de ar secundário". É aquela caixinha extra por cima da touca do cilindro que tem um tubo que vai até ao escape. A sua função é fornecer oxigénio para os duendes do catalisador respirarem; sem o SAS, os duendes sufocariam e já não seria possível despoluir os dióxidos de carbonos.

2011 Vespa PX125

Mais uma visão das miudezas. Notem a mola dupla no descanso (a minha PêXizer de 87 só tem uma). Não sei se repararam há bocado mas o código do modelo é *ZAPM74100*, o que augura o fim da gloriosa época dos prefixos V__M. Já agora, o número de quadro é *00001578* o que sugere que a Piaggio pretende fabricar 100 milhões de "É-trêzers". Ou de ZAPMérs, como costumamos dizer nos círculos blogoculares scooteristas.


2011 Vespa PX125

A ZAPMér vem equipada com três Michelin S83 de fabrico Sérvio, pneumático esse que é o único oficialmente aprovado pela Horta. Também tem um travão de disco ou algo insignificante do género, pois os pneus são muito mais importantes. São ésse-oitenta-e-trézers!

2011 Vespa PX125

Os tipos do marketing devem ter achado que era importante os clientes não se esquecerem qual a marca do seu veículo, pois decidiram imprimí-la em letras grandes no bacalhau. A tentativa de capturar um pouco da elegância retro das primeiras Pês ao incorporar umas imitações dos frisos metálicos dos anos 70 não foi bem sucedida, na minha opinião. Adicionar plástico é mau.

2011 Vespa PX125

Se eles se deram ao trabalho de desenhar, imprimir e colar o autocolantezeco, o mínimo que eu posso fazer é sacar-lhe o retrato.

2011 Vespa PX125

Os emblemas Vespa são de "gel", um tipo de borracha flexível metalizada, e não de metal tradicional sólido. Isto significa que já não há furos nos balons e no avental para localizar os ditos distintivos.

2011 Vespa PX125

No porta-luvas encontram-se dois fios eléctricos que presumo servirem para alimentar acessórios do estilo GPS ou carregador de telemóvel. No entanto, o manual não lhes faz referência - procedam com cautela. O que não encontrei foi um "besouro" dos piscas, gerador do típico pi-pi-pi que acompanha a indicação de mudança de direcção (Update: leiam o comentário do PE). O autocolante exibe um esquema com características técnicas da homologação Italiana  ou coisa parecida.

2011 Vespa PX125
    
Detesto terminar numa nota negativa (a minha impressão geral da É-trêzer-barra-ZAPMér é muito boa, como discutirei na próxima posta) mas a tinta do depósito está a empolar e a descascar. Já ouvi duas vezes o comentário de "ah a PX do não sei quantas também fez isso" por isso parece ser um defeito comum, se bem que bastante inócuo.

Na Segunda-feira, a conclusão. E fotos de corpo inteiro da bicha.

Leiam o resto do teste à PX de 2011 aqui.
   

8 comentários:

PE disse...

os dois fios pendurados era mesmo para ligar o besouro do pi pi pi... como deve ser uma peça muitíssimo cara, já a minha de 2003 não o trazia. de origem.

Ranger Bob disse...

A sério? Então o meu telemóvel só vai carregar nas curvas?

Jony disse...

É bom ver que resolveram o problema dos símbolos em metal autocolante que ganhavam ferrugem logo na primeira semana. Os punhos são horríveis, mas gostava bastante de experimentar esse banco.

Chamusca disse...

Bob, para ser mais correcto, o teu telemóvel só vai carregar quando ligares os piscas ;) No entanto também fará pi-pi-pi já que estará sempre a ligar e desligar :))))

Calatróia disse...

O velocímetro tem os ponteiros vermelhos.., Na minha é cinzento...

Leo_Dueñas disse...

Se essa pintura do tanque reage assim com a gasolina européia, imagine com a brasileira, que tem 25% de etanol na formulação?

Abraço,
Leo
http://motonetaseafins.blogspot.com/

Nuno Mesquita disse...

esses fios sao do buzzer dos piscas mas nessa mala faltam os 2 furos junto ao batente de borracha no canto sup direito pra meter o dito aparelho

Pedro disse...

a escala de milhas da minha PX não coincide com a dessa...