5.12.07

[P Power] - o vídeo

O primeiro e melhor vídeo da Horta encontra-se agora online. 3,86 MB de deliciosidade visual e sonora, e os melhores 2 minutos e 44 segundos de sempre das vossas vidinhas patéticas. A Horta conversou em exclusivo com Bob, o director/ realizador/ produtor/ editor/ argumentista/ duplo/ camera-man/ senhora da maquilhagem deste filme épico.

Horta: Bob, pode dizer-nos qual é o tema desta sua obra?
Bob: PX RULES!!! A melhor Vespa alguma vez fabricada! Documentário hard da escola de Seattle fim anos 60 encontra-se com Reality TV dura e crua com um toque de neo-drama pós modernista.
H: Então estamos a falar de uma homenagem à PX, certamente. É estranho, pois a acção parece centrar-se no acto de conduzir e não na máquina em si.
B: Topa-me: melhor que uma PX, só andar de PX. Profundo, hein? Yah. Na boa. Tou lá. Onda nice. Pedro Abrunhosa.
H: Que dificuldades técnicas é que encontrou ao trabalhar neste meio nunca antes explorado por si?
B: Segurar o raio da câmara em posições esquisitas! Eu até teria tirado fotos das engenhocas McGyverianas que usei, mas nesse caso a máquina não apareceria na foto, topas? Foram, verdadeiramente, algumas das sucatices mais mal amanhadas, feias e perigosas de toda a minha carreira. Na cena do descanso a roçar, a máquina ficou presa ao pneu suplente com umas abraçadeiras da loja dos 300. A lente ficava a uns milímetros do chão quando o descanso roçava. Foi por isso que eu só o deixei "lamber" o chão suavemente- condução de precisão, meu. Na cena da suspensão, a máquina estava amarrada na ponta de uma bengala, segura pela bota! Na cena a seguir, pode-se ver a balançar um dos meus sistemas de estabilização de imagem que falhou. Hard core, meu. Topas? Na boa. Peace. Chill out.
H: E ficou contente com o produto final?
B: Yah, cem por cento, cinco estrelas, do top, ouve meu, 'tás a ver? Muito melhor que o Moped Dance, e quase ao mesmo nível que o Zundapp de 3. 'Tá bué da baril, mas deixo os prognósticos para o público.
H: Para quando a sequela?
B: Não tenho planos imediatos. Os três dias de filmagens de [P Power] deixaram-me esgotado, física e emocionalmente. Especialmente com o raio do Movie Maker a encravar todos os 10 minutos. É verdade que montes de cenas não foram incluídas na montagem final, ou aparecem muito cortadas, por isso há material de sobra. Muitas filmagens de TT foram para o lixo por terem ficado tremidas. Várias cenas na auto-estrada com a máquina amarrada ao porta-couves dianteiro também foram cortadas por serem assustadoras. Talvez para o ano, se o público mostrar interesse. Na boa. Props. Yo, broda.
H: Muito obrigado pelo seu tempo, Bob. Ficamos agora com esta magnífica obra de arte, [P Power], na sua estreia mundial.
B: Yah, tá-se bem soce. Ei, tens alguma coisa que se fume, meu? Na boa?

EDIT: Vídeo também disponível no Youtube.